Atos 4:23-31


Conhecemos muito bem as competições existentes no mundo. A cada dia deparamos com esta guerra sem fim. Tanto nas lutas amistosas como naquelas de vida ou morte. Conhecemos de perto as competições em dezenas de modalidades esportivas, desde as mais simples até as mais violentas e até mesmo sangrentas, o vale tudo, não importam as circunstâncias. A principal regra é ganhar e nunca perder. 

Até mesmo no mundo animal acontece esta peleja. Tanto animais, répteis e aves, mesmo entre os micróbios. Existe uma questão de luta pela sobreverência: O mais forte se alimenta do mais fraco. Uns devorando aos outros. Assim é a regra da vida neste planeta, a lei da sob reverência.

Os seres humanos, mesmo sendo racionais estão sempre atropelando uns aos outros, aquele que se acha o mais “esperto” vence, para isto não importa como.  

O egoísmo, a ganância, a maldade e a brutalidade do homem chegaram até onde não podiam mais ser suportadas. Lemos em Gênesis 6:5-7, o seguinte: “Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração.” 

“Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos” (Gálatas 5:14, 15). O inimigo, satanás, com o seu exército do mal aproveitam a fraqueza do homem caído e dominado pelo pecado para atacá-lo e mantêm-no afastado de Deus. Ele trabalha dia e noite para tentar impedir a pregação das Boas Novas (Lucas 2:10, 11), para que o homem não se converta e seja salvo (Marcos 4:14, 15; Mateus 13:14, 15).

O segredo da vitória está descrito no texto de atos 4:23-31, quando o inimigo queria impedir a pregação do evangelho, a proclamação do nome de Jesus como o Salvador e o progresso do Evangelho, a igreja inspirada pelo Espírito Santo reagiu, não com as armas carnais, mas “unânimes, levantaram a voz a Deus em oração” (Atos 4:5, 6, 17, 18, 23, 24,29-31). 

I – SATANÁS LUTA COM MUITO ÓDIO

A luta do mal contra o bem vem desde o jardim do Éden, quando Satanás se aproximou da mulher e disse: “É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore” (Gênesis 3:1). Diante da resposta confusa da mulher, o inimigo continuou: “É certo que não morrereis” (Génesis 3:4). Nestas alturas da conversa, com toda sagacidade do inimigo, todo o seu engano e mentira a mulher cedeu à tentação, caindo ela e seu marido e com eles a humanidade toda (Génesis 3:6, 7,9-13; Romanos 5:12; João 8:44; Apocalipse 12:9; 20:2, 10) 

Alguns pontos a serem considerados:

Primeiro. A queda de Lúcifer. Lúcifer quer dizer: Brilhante, portador da luz. A serpente, na forma que se apresentou à Eva não era um réptil rastejante. Esse foi o efeito da maldição (Gênesis 03h14min). A criatura que satanás usou era bonita e muito astuta, esperta (Gênesis 3:1). 

Encontramos dois textos bíblicos que nos falam sobre a queda de Lúcifer: 
a – Isaías 14:12-14. Estes versículos se referem a Satã em hebraico e Satanás em grego, que significa adversário. Ele é o príncipe do sistema mundo decaído (João 12:31; 14:30; 16:11). Tudo começou quando ele disse: “Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus e exaltarei o meu trono” (Isaías 14:13). Aqui nasceu o pecado.

b - Ezequiel 28:11-19. Nestes versículos, como também já vimos em Isaías, à linguagem vai além do príncipe de Tiro – cidade Fenícia – e aponta Satanás, o inspirador e governador invisível de toda aquela pompa e orgulho que, havia em Tiro. Aqui ele é descrito antes de sua queda. Era um príncipe cheio de toda grandeza, “Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti” (Ezequiel 28:13-15;). No entanto a Bíblia diz: “Contudo serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo” (Isaías 14:15; Ezequiel 28:17). 

Segundo. A sua luta para afastar o homem de Deus.
Satanás não ganha nada ao tentar impedir as pessoas de se aproximarem de Deus, pelo contrário, ele se embaraça cada vez mais. Ele começou logo cedo, com o primeiro casal que Deus havia criado. Usando as armas do engano que lhe são peculiares ele derrubou Adão e Eva. Com esta queda a morte entrou no mundo e alcançou a humanidade toda, que grande e terrível estrago (Romanos 5:12). Assim, durante toda a história humana o inimigo tem oprimido o homem na luta do mal contra o bem, e só culminará no dia já determinado por Deus, “O diabo que é Satanás e significa acusador, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago do fogo e enxofre, onde também se encontram não só a besta como o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 20:10). 

II – A AÇÃO DO MAL CONTRA O BEM NA HISTÓRIA HUMANA

“Sede sóbria e vigilante. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como Leão que ruge procurando alguém para devorar” (I Pedro 5:8). 

O adversário que “anda em derredor”, assedia as pessoas procurando alcançar as suas vidas, assim como conseguiu conquistar Eva (Gênesis 3:1, 13). Depois que Eva caiu não foi difícil, a partir daí, conquistar outra preza que, a partir de então já estavam feridas pelo pecado (Salmo 51:5; Romanos 3:23). 

Tentativas frustradas.

Primeira. A queda. Mesmo o inimigo tendo conseguido derrubar Adão e a raça humana, não conseguiu o que queria, pois, Deus no seu infinito amor proporcionou ao homem a oportunidade de voltar para Ele, receber Seu perdão e a vida eterna em Cristo (Gênesis 3:21; Isaías 61:10; João 3:10; 10:10; Apocalipse 7:13, 14). Deus também impediu o homem de comer do fruto da árvore da vida (Gênesis 2:9; 3:22). Se Adão e Eva tivessem dele comido, estariam vivos até hoje e todos nós não morreríamos nunca, sofreríamos eternamente neste corpo. As pessoas que aceitam Jesus como Salvador, irão, sim, comer deste fruto (Apocalipse 2:7; 22:2, 14). (Gênesis 3:21; Isaías 61:10; João 3:10; 10:10; Apocalipse 7:13, 14). Deus em Sua infinita sabedoria já havia previsto estes acontecimentos e, na Sua presciência preparado o caminho da vitória (Gálatas 4:4; I Pedro 1:18-21; Apocalipse 13:8). Na cruz Cristo triunfou sobre este intento do inimigo (Colossenses 2:13, 15; Hebreus 2:14; João 19:30). 

Segunda. A geração Cainita. A civilização que pereceu no juízo do dilúvio, foi Cainita em origem, caráter e destino (Gênesis 4:16, 17). (Muitas coisas materiais desta civilização estão mencionadas em Gênesis 4:16-22), que também excluiriam Deus de suas vidas, até mesmo as palavras atrevidas de Lameque (Gênesis 4:23, 24; Romanos 1:18-23).

Esta civilização se tornou esplêndida, mas o juízo divino é de acordo com o estado moral, não com o material. Esta tentativa do inimigo também foi frustrada (Gênesis 6:1-7; Lucas 17:26-30; II Pedro 2:4-9; Judas 1:5-7, 10-16). 

Terceira. Os filhos de Noé e a torre de babel. “Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade, e uma torre cujo tope chegue até aos céus, e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra” (Gênesis 11:4). Deus entra em juízo, na primeira tentativa do homem pecador de se estabelecer um Estado mundial em oposição ao Seu governo, Ele o feriu exatamente naquilo que o une, isto é a língua (Gênesis 11:5-9).

Ora, a ordem divina ao homem é: “Multiplica-vos, enchei a terra (Gênesis 1:27). E satanás queria levar a humanidade até ao céu por conta própria e desviá-la do plano divino que é salvar o homem pelo sangue de Jesus (I João 1:7). Como ele é mentiroso e enganador (João 8:44; 14:6). Tijolos e argamassa seria o caminho, coisa típica da religião sem Deus. Adão vem com vestimenta de folhas, Caim, com frutos e sementes e os descendentes de Noé com tijolos e argamassa (Gênesis 3:7; 14:3; 11:3, 4). 

Quarta. Os impérios organizados. E satanás quer ser adorado e servido como se fosse Deus. Sabendo que não lhe resta mais nenhuma chance, após ter perdido seu estado original (Ezequiel 28:15; II Pedro 2:4; Judas 1:6; Apocalipse 12:7-11; Isaías 14:12); ele quer ser adorado e servido a qualquer custo. Os grandes Impérios, seus Reis e príncipes foram adorados e reverenciados como deuses. Em Roma os Imperadores se intitulavam divinos. As “estrelas” do mundo artístico são aplaudidas e idolatradas por seus seguidores. Assim o inimigo, como usou o corpo da serpente para enganar Eva, ele usa estas pessoas, para através delas se realizar. Não tendo ele corpo, quer encontrar um para si, enganando a si próprio, sabendo que pouco tempo lhe resta (Apocalipse 12:12).

Com a sua ousadia maligna ele convidou o próprio Jesus para ajoelhar-se e adorá-lo (Mateus 4:8, 9). 

III – SATANÁS SEMPRE LUTOU E CONTINUA LUTANDO PARA BARRAR O PROGRESSO DA OBRA DE DEUS

“Tem compaixão de Ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá. Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda satanás! “Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus e sim das dos homens”. O inimigo querendo impedir Jesus de ir para a cruz e a pregação do Evangelho encosta-se em Pedro e começa a cochichar em seus ouvidos ( Mateus 16:21-23; Atos 4:17,18,23,24,29-31). 

No Velho Testamento:

a – No Egito. O povo de Deus foi escravizado e maltratado. Faraó, rei do Egito, lutou fortemente contra a ação de Deus tentado impedir a libertação do povo israelita, e irado com a insistência de Moisés, disse: “Retira-te de mim, e guarda-te que não mais vejas o meu rosto; porque no dia que vires o meu rosto, morrerás” (êxodo 10:28). Não conseguindo os seus intentos decide matar os israelitas (Êxodo 14:5-7,26-31).  E satanás sabia que o descendente deste povo – Jesus Cristo – esmagaria a sua cabeça, por isso usou os egípcios para tentar impedir o cumprimento da Palavra de Deus ( Gênesis 3:15). 

b – A descendência de Abraão foi duramente perseguida, pois, dela nasceria Jesus, o Salvador, aquele que venceria o inimigo (Genes 12:3; II Samuel 7:12; I Crônicas 17:11; Gálatas 3:16,19; 4:4).) No deserto Israel teve que enfrentar várias nações, certificar no Salmo 136:10-26). Neste texto encontramos vários acontecimentos demonstrando a grande misericórdia e o cuidado de Deus provendo vitórias ao Seu povo.

Israel foi perseguido pelos Assírios, Sírios Caldeus, Medos e Persas e pelo Império Romano. Muitas vezes isto aconteceu por causa de seus próprios pecados, no entanto sabemos que, por detrás de tudo estava a mão suja do inimigo. 

IV – A PERSEGUIÇÃO CONTINUA NO NOVO TESTAMENTO

Não há nas Escrituras qualquer dúvida sobre a severidade do conflito. Pedro salienta a feroz oposição ao dizer que o diabo é como “leão que ruge procurando alguém para devorar” ( I Pedro 5:8). O apóstolo Paulo diz: “o próprio Satanás se transforma em anjo de lua” ( II Coríntios 11:14). Os crentes de Éfeso são exortados a se revestirem de “toda a armadura de Deus..”( Efésio 6:11), e existem referências ao “laço do diabo” ( Salmo 91:3; I Timóteo 3:7); II Timóteo 2:26). Estas passagens têm o efeito de frisar o fato de que o conflito é realmente sem trégua, mas a oposição firme sempre será bem sucedida. Pedro nos exorta a resistir “firmes na fé”; Tiago escreve: “resisti ao diabo e ele fugirá de vós”; Paulo nos adverte: “nem deis lugar (isto é, oportunidade) ao diabo” (I Pedro 5:9; Tiago 4:7; Efésio 4:27) 

Primeira. A perseguição de Jesus. “Tendo eles partido, eis que aparece um anjo do Senhor a José em sonho, e disse: Dispõe-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito, e permanece lá até que eu te avise; porque Herodes há de procurar o menino para matá-lo” (Mateus 2:13) Ler os versículos de 1-13.

E satanás agora quer eliminar de vez, o próprio Jesus. Ele quer usar o rei Herodes para matá-lo. Ele não desiste, veio pessoalmente tentar ao Senhor usando os mesmos argumentos que usou para derrubar Eva, o que com ela não foi difícil: A gula, os encantos que os olhos podem ver, a soberba da vida, o orgulho e as grandezas deste mundo.

O objetivo de satanás na tripla tentação (Mateus 4:1-11) foi no intuito de induzir Cristo a agir por si mesmo, independente do Pai. As duas primeiras tentações foi um desafio do deus deste mundo a Cristo para que provasse que realmente era o Filho de Deus (Mateus 4:3-6). A terceira era: - “Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me  adorares” (Mateus 4:8, 9). – uma oferta do príncipe usurpou deste mundo de se despojar daquilo que de direito pertencia a Cristo como o Filho do homem e Filho de Davi, sob a condição de aceitar o cetro dos princípios mundiais de Satanás. Ele mostrou aqui o atual sistema mundial, o sistema eticamente ruim do mundo, isto se refere à ordem ou ao arranjo sob o qual Satanás organizou o mundo da humanidade incrédula sobre os seus princípios cósmicos de força, ganância, egoísmo, ambição e falso prazer (Mateus 4:8, 9; João 12:31; 14:30; 18:36; Efésio2: 2; 6:12; I João 2:15-17). Este sistema mundial é imponente e poderoso, sendo mantido com força Militar; visivelmente é religioso, científico, culto e elegante na aparência; mas embebido de rivalidades e ambições nacionais e comerciais, apenas se mantém em qualquer crise verdadeira pela força armada, e é dominado pelos princípios satânicos – comparar II Timóteo 3:1-5.

Este é o mundo do qual a Bíblia diz: “Não ameis o mundo nem as cousas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele” (I João 2:15).

A perseguição de Jesus foi intensificada a cada passo nos evangelhos, culminando na cruz, onde Ele foi crucificado (João 19:28-30). 

Segunda. A perseguição da Igreja e de todos os Profetas. A Bíblia diz: “Naqueles dias levantou-se grande perseguição contra a Igreja em Jerusalém; e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria. Alguns homens piedosos sepultaram Estevão e fizeram grande pranto sobre ele. Saulo, porém, assolava a Igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere” (Atos 8:1-3; João 15:20; Mateus 5:12; Atos 7:52; 22:4, 5; Gálatas 1:13; I Tessalonicenses 2:13-16; II Tim 

Terceira. Perseguição dos discípulos e apóstolos
“Isto disseram seus pais porque estavam com medo dos Judeus; pois estes já haviam assentado que, se alguém confessasse ser Jesus o Cristo, fosse expulso da sinagoga” (João (: 22; Mateus10: 23; 23:34; Atos 4:1-3; 5:17-20; 12:1-5; 13:5; 14:19; 16:22-24; 21:27, 30,31). 

CONCLUSÃO: Jesus prometeu que não nos deixaria. Ele estará sempre com os Seus, não importam as circunstâncias, nem a perseguição que temos que enfrentar. “E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mateus 28:18-20).

A Igreja precisa ter seus olhos espirituais abertos para esta realidade, como a Igreja primitiva. Quando Pedro e João relataram aos irmãos, que, o inimigo queria amordaçar suas bocas e impedir que eles pregassem a mensagem de salvação em nome de Jesus Cristo, a atitude dela, imediatamente foi: “Unânimes levantaram a voz a Deus e disseram: Senhor olha para as suas ameaças, e concede aos teus servos que anunciem com toda intrepidez a Tua Palavra” (Atos 4:24, 29).

Uma coisa é certa, o inimigo vai continuar a perseguir os que são de Deus, de um modo ou de outro. O soldado de Jesus Cristo tem de estar preparado para a guerra e a Palavra de Deus nos indica o caminho: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésio 6:10-20). Sejamos firmes e constantes, em Cristo venceremos. “Graças a Deus que nos da à vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” 



  Autor: Erasmo Carlos Cardoso de Araujo  |  Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |
 


Sua Opinião: