Nascemos, vivemos e morremos. E depois? Esta pergunta tem desafiado a humanidade através da História do Mundo. Nosso entendimento do que acontece após a morte influenciará muito a maneira pela qual vivemos. Para aqueles que procuram agradar a Deus, é importante saber o que ele revelou sobre este assunto. Só por um estudo da Bíblia podemos evitar os perigosos erros da sabedoria humana.



O que é a morte?
A morte é uma separação. Podemos entender este fato claramente, considerando como a Bíblia descreve a morte espiritual. Comecemos no livro de Gênesis, onde encontramos pela primeira vez o conceito de morte.
Quando Deus disse a Adão que não comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal, ele revelou que a consequência da desobediência seria a morte no mesmo dia do pecado (Gênesis 2:17). Com certeza, Deus cumpriu sua promessa sobre a consequência do pecado, porque ele sempre fala a verdade e nunca quebra uma promessa. Por causa do pecado do casal original, Deus expulsou-os do Jardim do Éden (Gênesis 3:23-24). Mesmo tendo Adão vivido, em seu corpo físico, por 930 anos, ele e sua esposa morreram no dia de seu pecado, no sentido de que eles foram separados de Deus. A morte espiritual é a separação de Deus.
O caso de Adão e Eva nos ajuda a entender que é possível estar fisicamente vivo, enquanto morto espiritualmente (veja Efésios 2:1-6, por exemplo). A razão para esta morte espiritual esta separação de Deus é sempre a mesma. Separamo-nos de Deus pelo nosso próprio pecado (Isaías 59:1-2).
A morte física também é uma separação. Quando o corpo está separado do espírito, ele está morto (Tiago 2:26). Eclesiastes 12:7 nos diz que isto é o que acontece no fim da vida física: “O pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”.


O que acontecerá após a minha morte?

É claro que o espírito voltará a Deus, mas o que ele fará com meu espírito? Mesmo que a Bíblia possa não satisfazer toda a nossa curiosidade sobre o que acontece depois da morte, ela é clara ao apresentar diversos fatos vitais:
Deus confortará o fiel e mandará o ímpio para um lugar de tormento (Lucas 16:25).
Deus julgará cada pessoa (Hebreus 9:27). Este julgamento será de acordo com a palavra que Deus revelou através de seu Filho (João 12:48). Ele julgará as coisas que fizemos em corpo (2 Coríntios 5:10). Passagens como Mateus 25:31-46 e 2 Tessalonicenses 1:7-12 mostram claramente que haverá uma eterna separação (morte espiritual) entre os justos (obedientes) e os injustos (desobedientes).
Podemos concluir, então, que a morte eterna não é o fim da existência, mas uma eterna separação de Deus. É óbvio no caso do homem rico, porém desobediente, em Lucas 16 que uma pessoa ainda estará consciente, mas que o injusto nunca poderá atravessar a separação para estar na presença de Deus.



Quanto a Morte:

1) – É, pois, do nosso saber que este mundo não é o nosso lar, que é curta nossa vida, pois, todos morreremos. “Portanto, assim como um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”. (Romanos 5:12). “Os dias da nossa vida sobem aos setenta anos ou, em havendo vigor, aos oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque passa rapidamente, e nós voamos”. (Salmos 90:10). “E o pó, [corpo] volte a terra e o espírito volte a Deus, que o deu. Vaidade de vaidade, diz o Pregador, tudo é vaidade”. (Eclesiastes 12:7-8).


a) – Por que o corpo do homem depois da morte volta ao pó? 

– Porque o homem foi feito do pó da terra e pecou. A morte é o cumprimento da ordem Deus. “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerá”. (Gênesis 2:17). E, Adão comeu, depois da Eva ter comido. Ambos pecaram, ambos morreram com todas as suas descendências. “… E o pó volte a terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”. (Eclesiastes 12:7).

b) – Mas a alma que nem morre nem dorme, possuindo uma substância imortal volta imediatamente para Deus. Jesus lhe respondeu: em verdade te digo: que hoje estarás comigo no paraíso”. (Lucas 23:43). “Entretanto, estamos em plena confiança, preferindo deixar o corpo e habitar com o Senhor”. (II Coríntios 5:8). As almas dos justos, sendo então aperfeiçoadas em santidade, são recebidas no mais alto dos céus onde contemplarão a face de Deus em luz e glória, esperando a plena redenção de seus corpos. “No inferno, [o rico] estando em tormentos levantou os olhos e viu ao longe a Abrão e Lázaro no seu seio”. (Lucas 16:23).


c) – E as almas dos ímpios são lançadas no inferno, onde permanecerão em tormentos e em trevas espessas, reservadas para o juízo do grande Dia. “Então, clamando, disse: [o rico], Pai Abrão, tem misericórdia de mim e manda a Lázaros que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama”. (Lucas 16:24). Além deste dois lugares que as almas são destinadas, as Escrituras Sagradas não reconhece nenhum outro lugar. “É porque o Senhor sabe livrar da provação os piedosos, e reservar, sob castigo, injustos para o dia do juízo…”. (II Pedro 2:9).


2) – No último dia, os que estiverem vivos, os justos da Igreja, não morrerão, mas serão mudados arrebatados; Os injustos ficarão para serem contados com o mundo. Nos textos da Santa Ceia lemos: “Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo”. (I Coríntios 11:32). “Depois de nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor”, (I Tessalonicenses 4:17).

a) – Todos os mortos serão ressuscitados com os seus mesmos corpos, e não outro, embora com qualidades diferentes, e se unirão novamente ás suas almas, para sempre. “Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se na desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual”. (I Coríntios 15-42-44).


b) – Esta é a situação dos mortos em Cristo Jesus. Cremos em Cristo e na nossa realidade presente e eterna, Cremos na Palavra de Deus. “Eis que vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, no momento, num abrir e fechar dos olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”. (I Coríntios 15:51-52).


3) – Os corpos dos injustos; Serão, pelo poder de Cristo, ressuscitados para desonra; os corpos dos justos serão, pelo seu Espírito, ressuscitados para honra e para serem semelhantes ao próprio corpo glorioso de Cristo.

a) – Além disso, esta preciosa verdade é um forte incentivo para o santo zelo e esforço ardoroso a fim de ganhar homens, mulheres e crianças para Cristo tanto em nossa terra como em terras estrangeiras. “Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as cousas que vos tenho ordenado, E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século”. (Mateus 2818-20). “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Sabemos que, quando ele, se manifestar seremos semelhantes a ele, porque havemos de vê-lo como ele é”. E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro”. ( I João 3:2-3).


b) – “Tendo esperança em Deus, como também a têm, de que haverá ressurreição, tanto de justos quanto de injustos”. (Atos 24:15). “Não vos maravilhei disto, porque vem a hora em que todos os que se acham em túmulo ouvirão a sua voz e sairão; que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo”. (João 5:28-29). “O qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as cousas”. (Filipenses 3:21).


Quanto ao Juízo Final:

1) – Deus já determinou um dia. No qual, com justiça, há de julgar o mundo por meio de Jesus Cristo, “Portanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”. (Atos 17:31). “Porque Deus não nos destinou para ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo”. (I Tessalonicenses 5:0).


a) – Os Atos do Julgamento Final serão baseados sobre o Seu conhecimento Divino de todas as coisas com sua justiça eterna. As cenas do juízo final realizarão em frente ao seu grande Trono Branco, onde Jesus se assentará como Juiz em grande majestade e poder. Ali se fará o exame de todo o pecador, ali anunciarão e serão dadas as recompensas e as sentenças finais. “Portanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”. (Atos 17:31).


b) –“Quando vier o Filho do Homem sua majestade e todos os anjos com ele, então se assentará no trono de sua glória, e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e para a s ovelhas à sua direita, mas os cabritos à esquerda; então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos do meu Pai entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”. (Mateus 25:31-34). “E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo o julgamento. E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem”. (João 5:22 e 27).


c) – “Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles”. “Vi também os mortos, os grandes e os pequenos postos em pé diante do trono”. “Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno”. (Daniel 12:2).


2) – Os livros foram abertos. O Livro da vida foi aberto. Outros livros também. Quem não estiver seu nome escrito no livro da vida é porque foi lançado dentro do lago de fogo. A segunda morte. a) – “Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e sim porque vosso nome está arrolado nos céus”. (Lucas 10:20). “… Mas naquele tempo, será salvo o teu povo, todos aquele que for achado escrito no livro”. (Daniel 12:1).


b) –“Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. E os mortos foram julgados, segundo as sua s obras, conforme o que se acham escrito nos livros”. “Deu o mar os seus mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas sobras”. “Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo”. E, se alguém não foi achado inscrito no livro da vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”. (Apocalipse 20:12-15).


c) – “ … E a anjos, os que não guardaram seus restados originais, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia” . (Judas versículo 6). “Ora, se Deus não poupou a anjos quando pecaram, antes precipitando-os no inferno, os entregou a abismo de trevas, reservado-os para juízo”. (II Pedro 2:4).


Quanto ao Fim. O que Deus tem em Vista:

1) – É de ser um grande Dia. O fim dos justos e dos injustos. Dos justos é de entrar no reino do céu preparado desde a fundação do mundo, na presença de Cristo seu salvador e Senhor.

a) – Lugar dos justos: Nova Jerusalém. “Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão”. “Contemplarão a suas face, e na sua fronte está o seu nome”. (Apocalipse 22:3-4). “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras, e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”. (Apocalipse 21; 8).


b) – Lugar dos injustos: Fogo eterno. “Então o Rei dirá também, aos que estiverem; a sua esquerda: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno; preparado para o diabo e seus anjos”. (Mateus 25:41). “Por esta, pois, amados esperando estas cousas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis… Antes, cresceis na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno”. (II Pedro 3:14 e 18).


Aplicações: Respondendo às doutrinas humanas
Infelizmente, há muitas doutrinas conflitantes sobre a morte e a eternidade. Consideremos, brevemente, quatro exemplos de doutrinas humanas que contradizem o ensinamento da Bíblia.


Doutrina humana: A morte é o fim da existência
As pessoas que não acreditam na existência de Deus, obviamente, negam a ideia de vida após a morte. Outros, mesmo entre aqueles que se proclamam seguidores de Jesus, ensinam que os injustos deixarão de existir, quando morrerem. Em contraste, Jesus claramente ensinou que a existência não cessa com a morte (Mateus 22:31-32; Lucas 16:19-31). O problema fundamental nesta doutrina humana que diz que a existência cessa com a morte, é o erro de não entender que a morte é uma separação, e não o fim da existência da pessoa (veja Tiago 2:26). Algumas igrejas, seguindo doutrinas de homens, negam a existência do inferno, mas a Bíblia mostra que todos serão julgados e separados, os justos para a vida eterna e os ímpios para o castigo eternamente, separados de Deus para sempre (João 5:28-29; Mateus 25:41,46).

Doutrina humana: A reencarnação
Muitas pessoas estão fascinadas pela ideia da reencarnação, incluindo-se aquelas que seguem religiões orientais, como o hinduísmo, e outras que aceitaram a filosofia da “Nova Era” ou os ensinamentos do Espiritismo. A doutrina da reencarnação é que nossa alma voltará, possivelmente centenas de vezes, para viver novamente e para ser aperfeiçoada em consecutivas vidas. A Bíblia não diz nada para provar esta ideia. Em contraste, a Bíblia ensina que morreremos só uma vez. Hebreus 9:27-28 diz: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação.” Pense no significado desta afirmação. Se uma pessoa precisa morrer muitas vezes, qual é o valor do sacrifício de Jesus? Teria ele também que morrer muitas vezes? Esta passagem mostra que ele morreu uma vez para pagar o preço de nossos pecados. 2 Coríntios 5:10 afirma que cada pessoa será julgada “segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”. Neste versículo, Paulo não fala de corpos, mas de um corpo só. O meu espírito não voltará para ser aperfeiçoado em outros corpos. Quando morremos, o nosso espírito volta para Deus. Note, também, que a ideia de que nossas almas são aperfeiçoadas através da reencarnação é absolutamente oposta à doutrina Bíblica de que somos salvos pela graça de Deus (Efésios 2:8-9).


Doutrina humana: O purgatório
A doutrina do purgatório foi propagada pelo catolicismo, e sugere que há uma oportunidade depois da morte para sofrer por causa de certos pecados antes de entrar no céu. Esta doutrina diminui o valor do sacrifício de Cristo, que deu a seus servos o dom gratuito da salvação. Não podemos merecer nossa passagem para o céu, nem antes nem depois da morte. Quando a Bíblia fala da situação dos mortos, ela diz que é impossível ao ímpio escapar dos tormentos para entrar no conforto dos fiéis (Lucas 16:25-26). A doutrina do purgatório, simplesmente, não é encontrada na Bíblia.

Doutrina humana: Comunicação com os mortos
A prática do espiritismo e de algumas outras religiões, ao tentar comunicar-se com os mortos, é absolutamente oposta ao ensinamento da Bíblia. Quando o homem rico de Lucas 16 pediu que um mensageiro dos mortos fosse enviado para ensinar sua família, Abraão disse que isso não seria permitido, e que nem era necessário (Lucas 16:27-31). No Velho Testamento, Deus condenou, como abominações, esses esforços para consultar os mortos (Deuteronômio 18:9-12). A consulta aos mortos é ligada à idolatria e à feitiçaria, coisas que são sempre condenadas, tanto no Velho como no Novo Testamento. É, absolutamente e sempre, errado tentar consultar os mortos.

Conclusão: O que faremos?
O entendimento correto do ensinamento Bíblico sobre a morte tem aplicação prática em nossas vidas. Eis duas sugestões específicas sobre as aplicações que devemos fazer:
(1) Devemos resistir às doutrinas e práticas que não são baseadas na Bíblia, incluindo:
- A ideia de que a existência termina com a morte
- As tentativas de comunicar com os mortos
- A doutrina do purgatório
- A doutrina da reencarnação
(2) Devemos viver de acordo com os ensinamentos da Bíblia, de modo que estejamos prontos, quando encontrarmos Jesus (Mateus 24:42-44; 2 Pedro 3:10-13).




Autores: Gabriel Fazanaro  & Dennis Allan
                                                                                                                                                                      

Sua Opinião: